quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

A verdade sobre o Carnaval


Diferente do que muito se conta, o Carnaval originou-se na Europa e não no Brasil. Os países que comemoram esta festa são geralmente aqueles com maioria católica, mas isso não significa que essa comemoração tenha algo cristão. Cristão significa: "De Cristo" e o Carnaval é bem contrário ao que Jesus nos ensina. 

Como tudo começou


O Carnaval teve início em meados de 600 d.C. quando foi estipulado por Roma 40 dias de santificação. Neste período as pessoas deveriam separar-se para orações e ação de graças, abdicando a ingestão de carne como sacrifício, o que chamamos até hoje de quaresma.  Quatro dias antes do domingo de Páscoa era realizado pelo povo jejum absoluto e voluntário, para se recordar dos 40 dias e 40 noites que Jesus jejuou no deserto (Mateus 4: 1-9). Já que nos quarenta dias não comeriam carne, e quatro dias antes do domingo de páscoa não comeriam  nada, apenas tomariam água, o império julgou lícito permitir o exagero de comidas e bebidas antes do período de quaresma. Desse modo seria possível armazenar alimentação e vigor para a santificação. 

Foi então que as pessoas começaram a abusar de bebidas fortes como o vinho fermentado. (A teologia explica que Jesus nunca bebeu de fato bebida alcoólica, o vinho que tomava era o vinho sem fermento para cear). Esses mesmo abusos já eram praticados em festas vitorianas na Grécia. Com agravação do pecado, logo Roma estava realizando festas idênticas as que os gregos praticavam em seus cultos a deuses pagãos. Na Itália, as pessoas chamavam o período de despedida da comilança de "Adeus à carne" tradução italiana "carne vale" . Essa expressão foi aceita em várias culturas. Na adaptação brasileira o termo se tornou "Carnaval". 

Orgia mascarada
As festas romanas eram caracterizadas por libertinagem, orgias, promiscuidade e todo o tipo de contrariedade aos ensinamentos de Deus (assim como na Grécia). Quando os romanos ficavam embriagados cometiam vários atos dos quais poderiam se envergonhar no dia posterior. O período de Adeus a carne- Carnaval, era também oportunidade de gulodices, onde as pessoas cometiam excessos também na alimentação. 

Pr. Silas Malafaia explica-  Essas Festas Romanas de Carnaval eram conhecidas como bacanais (em homenagem a Baco, o deus do vinho e da orgia), lupercais (em homenagem ao deus obsceno Pã, também chamado de Luperco), e saturnais (em homenagem ao deus Saturno que, segundo a mitologia grega, devorou seus próprios filhos). O resultado físico, moral e espiritual dessa festa é estampado nos noticiários e jornais toda "Quarta-feira de Cinzas", e é o retrato falado do ser que está por trás dessa algazarra pagã, comandando-a: o diabo. Sendo assim, aos que não participam dessa festa, meu conselho é que continuem de fora; e aos que participam ou pretendem participar, meu conselho está em Jeremias 51:45. Leiam! (Fonte: Chrys.loveblog.com.br)

Verdadeiro Significado das Fantasias de Carnaval 


Assim como a maioria dos significados reais de festas pagãs, o sentido do carnaval se perdeu na história. Em Paris, o comércio enxergou no Carnaval uma oportunidade de inflar a economia local como em todas as datas comemorativas mundiais. Isso se deu através do incentivo das roupas carnavalescas. A moda pegou nos países seguidores das  tendências parisienses como o Brasil.  

Hoje as pessoas buscam em fantasias de carnaval uma forma de liberar seus desejos mais íntimos de diversão e extrapolação, organizam-se em massas para desfilar as marchinhas. De fato estão marchando. Automaticamente os pais estão conduzindo seus filhos por esse caminho com o "Carnaval Familiar" onde talvez não exista a violência e degradação sexual das ruas populares, mas com certeza ainda não são modelos de moral para as crianças, pois destroem os valores cristão dos pequeninos. 

Além disso,  fantasiado, o indivíduo se sente pouco mais à vontade para fazer aquilo que de repente não faria "de cara limpa", a bebida alcoólica nesse caso produz o mesmo efeito. 

Verdadeiro Significado das Máscaras de Carnaval


As Máscaras de Carnaval são como as fantasias, escondem a verdadeira identidade do indivíduo. Porém no caso das máscaras há o agravante de que "o importante é esconder o rosto, sugerir o mistério". Na realidade a mascara de carnaval desprende a atenção ao rosto. Quando se desvia a atenção do rosto, obviamente as pessoas voltarão sua atenção para o corpo. Isso levará à uma expressão corporal maior que facilitará a interação entre duas pessoas, já que terão que emitir sinais corporais mais enfatizados. Muitas pessoas, nas festas de carnaval não se lembram com quem estiveram sexualmente. 


Alguns locais de farras carnavalescas até preservam a identidade do indivíduo, para que aqueles que participarem das orgias sexuais das casas noturnas nunca sejam reconhecidos. Com isso o folião abandona a timidez para se entregar a diversão com outros anônimos, o que triplica a contaminação de AIDS no Carnaval. O Senhor vê até mesmo os pecados ocultos, não há nada que esteja escondido que não venha a ser revelado. A bíblia diz também que é divertido para o tolo praticar a perversidade (ou iniquidade, pecado) Provérbios 10:23 

Revelação do Significado do Rei Momo 


A mitologia grega trata Momo, filho do Sono e da Noite, como o deus da zombaria, do sarcasmo, da galhofa, do delírio e da irreverência.  Diante do seu costume de criticar e ridicularizar os outros deuses, a divindade maior do Olimpo perdeu a paciência com ele e o despachou para a Terra, onde o divino deportado passou a ser representado por um jovem tirando a máscara e mostrando o rosto zombeteiro, ao mesmo tempo em que sacudia guizos e apresentava o estandarte da folia que era a razão da sua existência. 

Na mitologia, depois de finalizada a farra, e ao contrário do que acontece hoje em dia, o Rei Momo era solenemente levado ao altar do deus Saturno e ali sacrificado com todas as honras que merecia. (Fonte: Evangelico ação.bolgspot.com.br). 

A Mitologia é só um artifício e Momo é um pseudônimo de Satanás. Afinal quem é o verdadeiro rei da zombaria, da farra, da abominação, da carne, da mentira, do ocultismo, da libertinagem, da orgia, da música obscena, da perdição mundana, do pecado da gula?. Num ritual extremamente satânico e porque não dizer, até místico religioso! Uma autoridade da região festeira (Cidade/ Estado) entrega a chave do município ao rei Momo, simbolizando finalmente o livre acesso de satanás na festa como um rei para bagunçar a vontade. 


Raquel Sherazade se expressa (ao vivo) sobre Carnaval



A intrépida repórter de um importante jornal na Rede de Televisão SBT dá sua opinião sobre o Carnaval ao vivo e causa polêmica com a seguinte declaração: 

"(...) Não vejo a hora de chegar a quarta-feira de cinzas. Não, não é que eu seja inimiga do carnaval. Até já brinquei muito em clubes, em blocos... Portanto vou falar com conhecimento de causa e revelar algumas verdades por trás da fantasia do carnaval. Primeira delas: O carnaval é uma festa genuinamente brasileira- Não, não é... O Carnaval... surgiu na Europa. Segunda inverdade: O carnaval é uma festa popular- Balela! O carnaval virou negócio e dos RICOS. Que o digam os CAMAROTES VIPs, FESTAS PRIVADAS e os ABADÁS caríssimos chamados de "passaportes da alegria". E quem não tem dinheiro pra comprar aquela ROUPINHA COLORIDA, tem também o direito de ser feliz? Tem Não... Na Paraíba onde se comemoram as prévias não é muito diferente não. A maioria dos blocos vivem as custas do PODER PÚBLICO só por ser o Carnaval uma festa democrática. E nenhuma atração sobe no trio elétrico para divertir o povo só por ser o Carnaval uma festa democrática. Milhões de reais são pagos para artistas da terra e fora dela para garantir o circo a uma população miserável que não tem se quer o pão na mesa. 

Muitas coisas, hoje, me REVOLTAM no Carnaval. Uma delas é ouvir a boa música ser calada a força por Hits do momento como: Melô da mulher Maravilha e similares que eu não ouso nem citar

Eu fico indignada com a quantidade de ambulâncias que são disponibilizadas no desfile de carnaval para atender aos bêbados de plantão e valentões que se metem em brigas e quebra-quebra. Onde estão estas mesmas ambulâncias quando uma mãe precisa socorrer o filho doente, quando um trabalhador está infartando, quando um idoso precisa ser deslocado de cidade pra se submeter a um exame? Eu me revolto em ver que os policiais estão em peso nas festas para garantir a ordem durante o carnaval e no dia-a-dia falta segurança para cidadão de bem exercitar o simples direito de ir e vir. 

Mas o carnaval é uma festa maravilhosa! Dizem até que faz girar a economia, que os pequenos comerciantes conseguem vender suas latinhas, seus churrasquinhos. Olha, se esses pais de família dependessem do carnaval pra vender e pra viver, passariam o resto do ano a míngua? Carnaval só da lucro pra dono de cervejaria, pra proprietário de trio-elétrico, para os poucos artistas baianos, no mais é só prejuízo. 


Alguém já parou pra calcular o quanto o Estado gasta para socorrer vítimas de acidentes causados por foliões embriagados? Quantos milhões são pagos em indenizações por morte e invalidez decorrentes desses acidentes? Quanto o Poder Público desembolsa com procedimentos de curetagem que muitas jovens se submetem depois de um carnaval sem proteção que gerou uma gravidez indesejada? Isso sem falar na quantidade de DSTs que são transmitidas durante a festa em que tudo é permitido. Eu até acho que o carnaval já foi bom, mas isso, foi no tempo de outrora." Raquel Sherazade 






Leia Mais...



Um comentário:

  1. o que sei e que MEU DEUS É MAIOR QUE TUDO E ELE PODE TUDO INCLUSIVE FAZER TODO MAL CAIR POR TERRA

    ResponderExcluir